3 de ago de 2010


Amigo espiritualista,
quando a depressão se aproxima e instala
na sua consciência aquele clima mental
cinzento e opressivo, é necessário reagir
e acender a própria lâmpada interior.



É o que se denomina "sol na alma".
É uma espécie de ponte de ligação oculta
entre o encarnado e o plano extrafísico
de sua verdadeira origem: o plano mental.

Muitos pesquisadores espiritualistas
em suas correntes mais diversas afirmam,
acertadamente, que no plano mental não existe
o tempo nem o espaço. Isso é verdade, porém,
muitos se esquecem de que o amor existe nesse plano,
já que ele não depende nem do tempo e nem do espaço.

E é esse amor que você deve sintonizar para vencer
a opressão que devora o seu otimismo e bem-estar.

Por isso, eleve o pensamento e tente criar a imagem
de luz branca puríssima interpenetrando todo o seu corpo,
mas especialmente no cérebro e no coração.

Acenda o sol na sua alma e tente ter mãos de luz,
coração generoso e pés que caminham conscientemente.

A estrada da vida pode ser muito dura,
mas se o nosso coração é generoso,
tudo podemos compreender.

As pessoas podem ser ásperas,
mas se as nossas mãos forem brilhantes,
tocaremos a todos com grande luz.

São muitos os percalços, mas se tivermos
a consciência limpa, usaremos o discernimento
e descobriremos o mais sensato a fazer.

A caminhada na terra é cheia de espinhos,
mas uma consciência espiritualizada,
conectada com o plano mental,
transforma-se em um farol de luz,
ou melhor, no sol das almas.

Nos seus momentos de meditação ou de prece,
procure pensar na luz branca que permeia
todo o Universo e que é a base de toda vida.
Essa luz é sutil, mas pode ser percebida
se a sua lâmpada interior estiver acesa.

Pense naquele amor criativo que está a favor
da evolução de todas as criaturas.

Pense que você vive em conjunto com bilhões de almas,
encarnadas e desencarnadas. Todas são como você
e têm um sol interior. Embora não pareça,
todas buscam as mesmas coisas que você:
amor, paz, crescimento e luz.

Grande parte dessas almas perde-se
nos desvarios humanos. Mergulham nos prazeres mundanos
e se afogam no próprio orgulho, gerando com isso
os entraves cármicos que os aprisionarão
nas provas retificadoras do futuro.

Essas almas ferem os próprios irmãos
de romagem evolutiva e, na verdade,
estão ferindo a si próprias.
São almas sombrias que se esqueceram
do próprio sol interno e por isso rumam
pelas várias vidas ao sabor das intempéries
cármicas que as dominam.

Portanto, cabe a você, espiritualista consciente,
acender o seu sol interior e emanar a luz,
como verdadeiro sol nas almas.*

Nós lhe esperamos com a luz na ação
e com Jesus no coração.

- André Luiz -
(Dedicado ao espírito Rama)

Recebido espiritualmente por Wagner Borges;
Florianópolis, 19 de abril de 1995)